O futuro da pesquisa de mercado – hoje mesmo.

6 minutos para ler

3 tendências para ficar de olho e se preparar.

Há alguns dias, Amy Webb, fundadora do Future Today Institute, nos presenteou com o 14ª edição anual do Tech Trends Report. O que Amy e sua equipe vêm produzindo ao longo dos anos tem se mostrado não apenas um ótimo roadmap do futuro, mas também uma precisa ferramenta de leitura do presente para tomada de decisões de negócio.

Entre as diversas tendências que o relatório apresenta, quis destacar algumas que afetam diretamente a On The Go e o mercado de pesquisa. Mais do que narrar o que tem no relatório, trago aqui uma lista daquilo que tirei de aprendizado e acredito pautará o mundo de pesquisas com consumidores nos próximos 5 anos.

Para facilitar a leitura e te inspirar a fazer pesquisas mais inovadoras, defini cada tendência em 3 partes:

1. O que é? – onde explico a origem da tendência;
2. Como afeta o mercado de pesquisa? – onde apresento as implicações reais dela em nosso mercado;
3. Na Prática – onde conto como estamos aplicando a tendência diretamente no nosso dia a dia (afinal, tendência boa é tendência concretizada).


Tudo certo? Então vamos às tendências!


1. Interfaces “Lo to No-Code”

O que é?
O movimento Low-Code é um movimento que visa popularizar e democratizar o acesso ao fazer tecnológico. Quase como uma subcultura dentro do movimento Maker, o Low-Code visa dar autonomia para as pessoas programarem e lançarem suas próprias tecnologias sem necessidade de aprender uma linguagem de programação para isso. Dessa forma, publicar um app, site ou até mesmo um chatbot se torna uma atividade muito mais focada no entendimento e resolução do problema (O Quê e O Por Quê) e menos no desenvolvimento (O Como).

Como isso afeta o mercado de pesquisa?
À medida que fica mais fácil criar e aplicar tecnologias, os times de pesquisa e CMI ganham autonomia para adaptar suas metodologias ao meio digital, podendo fazer uso de diversas ferramentas diferentes sem a necessidade de um intermediário como um Instituto de Pesquisa ou uma equipe interna  de T.I / MKT para a parte de implementação.

Na Prática
Integração entre CRM e CMI com Zapier (ferramenta no-code)
Para acelerar a integração dos dados que já existem no CRM dos nossos clientes com os dados coletados nas pesquisas On The Go,  utilizamos o Zapier como banco de dados intermediário, criando assim uma visão única de cada cliente/prospect no seu mailing. Dessa maneira, times de Marketing, CMI e UX podem trabalhar em conjunto para uma visibilidade mais profunda dos clientes sem, pra isso, precisar movimentar estruturas internas complexas nessa integração.

2. Linguagem Natural para além da análise de sentimentos

O que é?

O uso de interfaces de Processamento de Linguagem Natural tem sido muito comum para entender como as pessoas se comunicam (e por consequência como pensam e sentem). Com a evolução da Inteligência Artificial, e a quantidade abundante de dados públicos nas redes sociais, técnicas como o Social Listening e o Opinion Mining têm crescido entre pesquisadores nos últimos anos. Porém, mais do que extrair dados, é preciso interpretá-los de maneira analítica, mas sem com isso perder a sensibilidade humana que gera os bons insights.

Como isso afeta o mercado de pesquisa?

Se durante anos o maior problema de abordagens verbais como entrevistas e perguntas abertas em questionários era a tabulação e interpretação dos dados em escala, com as novas tecnologias podemos não apenas coletar mais dados desse tipo, mas também aplicar I.A para entender o que as pessoas querem dizer quando se expressam. Fazer isso colaborativamente, entre tecnologia, pessoas e áreas da empresa é o grande desafio, porém.

Na Prática
Tags Inteligentes no Dashboard On The Go.
A partir de uma busca inteligente, os clientes On The Go podem criar tags colaborativas em cada verbalização do respondente dentro da pesquisa, assim agregam uma camada qualitativa à análise prévia dos sentimentos feita pela nossa I.A. Com isso, nossos cliente têm conseguido ir muito além da nuvem de palavras (e outras formas de tabulação) para entender e apresentar seus resultados de pesquisa.

3. O meio é cada vez mais a mensagem

O que é?
Com boa parte das empresas diminuindo seus espaços físicos de escritório e migrando o trabalho para modelos remotos ou híbridos, a mensageria, tão comum no dia a dia de todos, se torna também o meio principal de comunicação entre equipes. Com isso, a frieza e o rigor do e-mail dão lugar às mensagens em ferramentas como o Slack, o Workplace e (informalmente) o WhatsApp.

Como isso afeta o mercado de pesquisa?
Daqui pra frente, as pessoas vão esperar experiências simples e interações facilitadas. Nesse sentido, questionários online tradicionais serão cada vez mais desprezados pelos respondentes por serem experiências frias e pouco adaptadas ao seu jeito de comunicar. Em um mundo de mensagens, a Pesquisa Conversacional ganhará cada vez mais protagonismo por ser natural, engajadora e adaptável.

Na Prática
Chatbots de Pesquisa também no WhatsApp (teste aqui a versão demo)
Além do modelo webchat, onde o respondente participa da pesquisa por meio do seu navegador mobile, implementamos em 2020 também o chatbot pesquisador no WhatsApp. Dessa maneira, expandimos o alcance das pesquisas dos nossos clientes levando a conversa para o app com o maior uso pelos brasileiros.



Embora o futuro ainda nos reserve muitas mudanças, essas são apenas algumas das tendências que temos vivenciado aqui na On The Go e queríamos compartilhar contigo.

Como todas as tendências, elas ainda não são fatos, mas sim sinais e padrões que indicam uma provável transformação de comportamento. O que de fato ocorrerá é incerto, mas como gostamos de falar por aqui: “com os dados certos e uma dose de criatividade, podemos juntos criar o futuro que queremos”.

Posts relacionados

Deixe um comentário